Thursday, July 13, 2017

E o que se previa, aconteceu : Icebergue A68






credits: Sentinel-1 SAR imagery | Captured May 31/
Photo by John Sonntag | Captured Nov. 10


Um icebergue com quase seis mil quilómetros quadrados, com cerca de um bilião de toneladas, um dos maiores já observados, formou-se, depois de se soltar da plataforma continental da Antárctida, ficando à deriva no Oceano Antártico, disseram investigadores da Universidade de Swansea (Reino Unido).

"A formação produziu-se entre segunda e quarta-feira", indicaram os especialistas, que monitorizam a evolução deste bloco de gelo gigantesco.

O bloco, com 600 quilómetros quadrados, separou-se da plataforma de gelo Larsen C, da Antártida Ocidental, a sul do continente americano.





créditos: Getty Images


É uma plataforma com 350 metros de espessura que já estava prestes a desprender-se há vários meses. No mês passado, quando a plataforma já estava presa ao continente por apenas 20 quilómetros de gelo, os cientistas já alertaram para o perigo de brevemento esse desprendimento se dar.

Era pois uma separação esperada pelos cientistas, que há mais de dez anos seguiam uma grande fenda, cujo aumento se acelerou a partir de 2014.

A massa de gelo, com 200 metros de espessura, não deverá mover-se para longe nem muito depressa, mas deverá continuar a ser monitorizada.

Correntes e ventos podem eventualmente empurrar o icebergue para norte do Antárctico, o que pode vir a causar dificuldades à navegação. 

É provável também é provável que o novo icebergue se separe em breve em blocos de gelo mais pequenos.

Em Maio último já se tentava dimensionar o tamanho deste icebergue monstruoso, que agora se foi denominado A68.

Afirmam que é 300 vezes maior do que aquele que provocou o naufrágio do Titanic. Apesar de ter apenas metade do tamanho do icebergue B-15, que se separou da plataforma de gelo Ross em 2000, este é passou a ser um dos dez maiores icebergues do planeta Terra.





credits: Sentinel-1 SAR imagery


Segundo a Agência Espacial Europeia (AEE) e o cientista Noel Gourmelen, da Universidade de Edimbourg, o icebergue tem 1.155 quilómetros cúbicos de gelo, equivalente à água necessária para encher 462 milhões de piscinas olímpicas

No entanto, o desprendimento do icebergue não vai ter um efeito significativo no aumento do nível da água do mar. Segundo as explicações de Anna Hogg, especialista em observações de glaciares através de satélite, o facto de este icebergue estar agora 'à deriva é semelhante a colocar um cubo de gelo dentro de um gin'. 

Apesar de significativo para os cientistas, e assutador para todos nós, este icebergue não preocupa assim tanto os investigadores. Afrimam que não há indícios de que isto signifique que a plataforma Larsen se esteja a desintegrar, muito menos de que esta fenda em si tenha sido provocada pelos efeitos das alterações climáticas. Significa sim que a plataforma está mais instável.





credits: Midas Project

A chunk of floating ice that weighs more than a trillion metric tons broke away from the Antarctic Peninsula, producing one of the largest icebergs ever recorded and providing a glimpse of how the Antarctic ice sheet might ultimately start to fall apart.

A crack more than 120 miles long had developed over several years in a floating ice shelf called Larsen C, and scientists who have been monitoring it confirmed on Wednesday that the huge iceberg had finally broken free. See NASA Blue Marble imagery here.






The event fundamentally changes the landscape of the Antarctic Peninsula, according to Project Midas, a research team from Swansea University and Aberystwyth University in Britain that had been monitoring the rift since 2014.


“The remaining shelf will be at its smallest ever known size,” said Adrian Luckman, a lead researcher for Project Midas. “This is a big change. Maps will need to be redrawn.”

Read the entire information here


Geração 'explorer'

12.07.2017

Creative Commons License

Sources:

Observador/ Antárctida
The New York Times/ Climate



No comments: